Surfing in Portugal

O oceano é uma força tremenda, muitas vezes perigosa da natureza, mas também pode ser tranquilo. Nas praias de Portugal, conheci amadores, preparando-me para a primeira pausa; Conheci surfistas experientes correndo para as profundezas; maníacos totais, surfando as ondas com 30 metros na Nazaré; Também conheci os observadores de pedestres, como você e eu, apenas vindo aqui para assistir. Passeando pelos pontos de surfistas, fotografando todas essas pessoas, muitas vezes me perguntei sobre os pensamentos que preocupam suas mentes. O que um surfista sente pouco antes de entrar na água? Ele pára apenas se as condições estiverem certas, as ondas não estiverem muito altas, muito fortes ou muito baixas, talvez, qual a melhor maneira de entrar na água etc.? O que exatamente ele sente como se estivesse nessa onda? Você começou no momento? Ou você acha que ele estragou a escolha de fugir para a direita? Por que alguns deles param em terra firme ao pôr-do-sol depois de uma sessão forte e olham fixamente para as ondas com admiração absoluta? É apenas sobre admirar a visão, ou eles são da natureza para abençoá-los com um grande dia? O que um fotógrafo pensa em capturar apenas o momento certo? Ou pior: depois de perder um? O que um casal de idosos que olha para os surfistas desliza para um oceano turbulento? E por que eles passam tanto tempo assistindo? Certamente, as respostas para todas essas perguntas devem ser triviais, mas prefiro vê-las sem resposta. Para mim, surfar não é apenas nadar em um tabuleiro, estar em contato com a natureza ou admirar o cenário de tirar o fôlego. Para mim, é esse olhar de concentração pintado nos rostos de todas as pessoas participando ativa ou passivamente do surf; estar perdido em pensamentos, imaginando, transcendência momentânea em um estado mais elevado de consciência – isso é exatamente o que eu estava tentando mostrar nas fotografias aqui apresentadas. É tudo sobre concentração.
Eu tenho fotografado desde 2013, principalmente com foco em fotografia de viagem. De onde eu venho (Polônia), fotografo wake-boarding. Em Portugal, gasto todo o tempo livre no oceano.
A.Muszynski.