Late Night Concert – Concerto do Solstício Orquestra Metropolitana de Lisboa

O Solstício de Verão corresponde ao dia do ano em que a noite é mais curta. Há, por isso, que aproveitar bem cada uma dessas horas. Nesse sentido, a Orquestra Metropolitana de Lisboa propõe-nos participar num concerto que lembra simbolismos ancestrais. Hoje em dia, passamos muito tempo com os olhos postos no brilho dos aparelhos eletrónicos. Não mantemos uma relação com os astros semelhante àquela dos povos antigos. O Sol, com todo o seu esplendor, foi em tempos uma entidade divina, de tal modo adorada que lhe eram dirigidas preces em favor da harmonia da natureza e da felicidade do Homem. Os solstícios eram os momentos mais importantes desse culto, sendo celebrados em todo o planeta com rituais que incluíam o fogo, a dança e a música. Neste dia de junho que assinala o início do nosso verão, tudo começa «fora de horas», com a sonoridade jazzística dos anos 1920 que George Gershwin transformou numa obra-prima para piano e orquestra, Rhapsody in Blue. Segue-se a espetacular Sinfonia do Novo Mundo de Dvořák. O resto da noite, é confiado à criatividade e ousadia de cada um.

 

Sexta-feira, 21 de junho, 23h30, LxFactory (Fábrica LX)
 
    G. Gershwin Rhapsody in Blue
    A. Dvořák Sinfonia N.º 9, Op. 95, Do Novo Mundo
 
Solista: Mário Laginha (piano)
Maestro: Pedro Amaral
 
PROGRAMA DETALHADO
George Gershwin (1898-1937) – Rhapsody in Blue (1924)
(17’)
Antonín Dvořák (1841-1904) – Sinfonia N.º 9 em Mi Menor, Op. 95, Do Novo Mundo (1892-93)
(44’)
I. Adagio – Allegro
II. Largo
III. Molto vivace
IV. Allegro con fuoco